Mudanças no eSocial: saiba o que muda para sua empresa em 2020

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Leitura de 6 min

Ter uma empresa no Brasil não é fácil! A burocracia é enorme, com o preenchimento de diversos contratos, normas a serem seguidas e, principalmente, inúmeras obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias que precisam ser quitadas regularmente. O não cumprimento dessas regras pode gerar prejuízos para as empresas.

Pensando nisso, o Governo Federal criou o eSocial, um sistema que busca padronizar e facilitar essas demandas. O que é necessário observar é que haverá mudanças no eSocial, deixando um alerta para todos os empresários.

A partir de 2020 o sistema do eSocial será novo, decidido por meio da Medida Provisória da Liberdade Econômica, que foi aprovada recentemente no Congresso Nacional Brasileiro. O objetivo dessas mudanças é desburocratizar a contabilidade das empresas e o pagamento dos seus encargos.

Nesse sentido, mostramos neste post as principais mudanças no eSocial e como ficará a situação desse novo sistema para o próximo ano. Confira o nosso conteúdo a seguir!

O que é o eSocial?

Criado pelo Governo Federal, o eSocial é um sistema de registro que visa facilitar e simplificar a administração dos dados relacionados aos trabalhadores de uma empresa. De uma maneira padronizada, o programa reduzirá os custos e o tempo do setor de contabilidade no momento da execução de obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais.

Todas essas informações fornecidas pelas companhias vão compor um banco de dados — controlado pelo Governo Federal —, abrangendo mais de 40 milhões de colaboradores, e contará com a presença de mais de 8 milhões de empresas, bem como 80 mil escritórios de contabilidade.

De uma forma prática, as empresas enviarão periódica, e digitalmente, as informações para a plataforma do eSocial. Esses dados já eram armazenados em sistemas online, mas agora serão centralizados em único local.

São 15 obrigações assumidas pelos empregadores e agora passarão a ser comunicadas no sistema do eSocial. São elas:

  • GRF – Guia de Recolhimento do FGTS
  • MANAD – Manual Normativo de Arquivos Digitais
  • DCTF – Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário
  • CD – Comunicação de Dispensa
  • LRE – Livro de Registro de Empregados
  • CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados para controlar as admissões e demissões de empregados sob o regime da CLT
  • GPS – Guia da Previdência Social
  • Folha de Pagamento
  • QHT – Quadro de Horário de Trabalho
  • DIRF – Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte
  • CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social
  • CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho
  • RAIS – Relação Anual de Informações Sociais
  • GFIP – Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social

Quais são as novas mudanças no eSocial?

O novo eSocial buscará uma maior simplificação, com a redução brusca das informações prestadas pelos empregadores. Assim, serão requeridos apenas os dados que proporcionem a devida substituição de uma obrigação acessória, desde que não sejam repetitivos ou que não estejam nas bases do Governo.

Assim, podemos destacar como as principais premissas desse novo eSocial:

  • a redução da burocracia — mudança das obrigações acessórias;
  • a não requisição de informações já conhecidas;
  • a exclusão de pontos de complexidade;
  • a simplicidade e modernização do sistema;
  • a continuidade e integridade dos dados;
  • o respeito aos profissionais e empresas que realizaram investimentos.

Além disso, o sistema terá um novo layout, com a flexibilização de regras que impedem o fechamento de folha de pagamento, bem como a dispensa de diversas informações que antes eram obrigatórias.

O Microempreendedor Individual, a Empresa de Pequeno Porte, a Microempresa e o empregador doméstico sofrerão transformações. Confira!

Microempreendedor Individual, Empresa de Pequeno Porte e Microempresa

Esses tipos de empresas têm tratamento diferenciado. Além do Segurado Especial, poderão usar a ambientação do web simplificado para prestar as suas informações contábeis. Nesse sistema, os empresários têm acesso a diversas ferramentas que facilitam a admissão de seus colaboradores, folhas de pagamento, demissão, férias.

Todas essas ferramentas mencionadas apresentam uma moderna automatização e simplificação, o que possibilita o acesso e manuseio por qualquer pessoa — e não apenas profissionais do ramo de contabilidade.

Empregador doméstico

Os empregadores domésticos devem continuar a prestar as informações dos colaboradores, bem como gerar as guias de pagamento (DAE) e fechar as devidas folhas de pagamento. Todavia, o novo sistema do eSocial terá uma reformulação de suas telas, fluxos simplificados, assistente virtual e outras ferramentas de ajuda.

Todos esses recursos foram desenvolvidos por meio de pesquisas com usuários, realizadas pela Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, para auxiliar os empregadores.

O que não foi alterado?

Um ponto que é importante ressaltar é que todos os prazos vigentes para realizar o envio das referências no eSocial não estão suspensos — apenas os novos dados e fases que não serão requeridos até a alteração para o novo sistema.

Para as empresas que realizaram investimentos em treinamentos, capacitação e aquisição de sistemas, não há com o que se preocupar. Será conservada a maneira de transmissão de dados via web service, aproveitando a identificação dos eventos e sua posterior integração, porém, com normas mais flexíveis.

Assim, espera-se que a transição entre o atual e o novo eSocial seja realizada da forma mais leve possível, com o mínimo de impacto para as empresas. Pelo contrário, esse novo sistema tem o objetivo de evoluir e potencializar o trabalho contábil.

O novo eSocial entrará em vigor a partir de janeiro de 2020, mas já é possível identificar atualizações no modelo atual, no que diz respeito ao layout e outras ferramentas. Por isso, tornou-se facultativo o preenchimento de vários dados no sistema, enquanto o novo sistema não entra no mercado.

Portanto, como foi possível observar neste artigo, as mudanças no eSocial têm o propósito de desburocratizar as obrigações trabalhistas, tributárias e previdenciárias das empresas de todo o Brasil, com um novo sistema moderno, intuitivo, simples e completo. As companhias e contadores poderão executar esses encargos com mais eficiência, reduzindo o tempo e os custos de operação de todo o programa.

Se você curtiu o nosso conteúdo e se informou sobre as novas mudanças no eSocial, compartilhe este post nas suas redes sociais e divulgue para os seus amigos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima