Conheça as 4 fases de uma empresa startup e como passar com segurança por todas elas

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Leitura de 6 min

Modelos de negócios atuais estão ocupando cada vez mais espaço no mundo do empreendedorismo, desenvolvendo novas possibilidades de solução de conflitos e alterando positivamente a economia de vários países. É nesse contexto que se estabelecem as empresas startups, que solucionam dores reais dos consumidores por meio de um produto escalável e em situações incertas, associados ao uso da tecnologia e da internet.

Para os empresários que têm uma startup, é fundamental ter a ciência de que esse negócio passa por diversas fases, desde o momento inicial da sua criação até que a companhia se torne consolidada e sobreviva no mercado competitivo.

Nesse sentido, mostraremos neste post as 4 fases de uma empresa startup e como o empreendedor pode avançar em cada uma delas com segurança e eficiência. Confira o nosso conteúdo a seguir e se informe mais sobre o assunto.

Quais são as fases de uma empresa startup?

Diversos empresários em todo o mundo estão se arriscando na criação de startups com o objetivo de obter sucesso aplicando uma pequena parcela do próprio capital no negócio. Para isso, busca-se investimentos por meio de aceleradoras ou empresas interessadas no avanço da companhia em longo prazo.

Porém, é extremamente importante compreender em qual fase a sua startup se encontra, pois os investimentos são realizados tomando como base o nível e experiência que a empresa possui no mercado.

Além disso, para alcançar o sucesso do seu negócio é fundamental passar por cada etapa com atenção, aprendendo com os erros e evoluindo exponencialmente. Assim sendo, vamos conferir cada fase de uma startup.

1. Curiosidade

A fase da curiosidade é o momento inicial das startups. Nesse estágio não há negócio desenvolvido, apenas a vontade de compreender todo o processo de estabelecimento desse tipo de companhia.

Nesse contexto observa-se que os empreendedores que almejam esse tipo de negócio normalmente são profissionais com emprego fixo que querem sair do mercado de trabalho e jovens estudantes com o intuito de empreender.

Para isso, é relevante estudar bastante e se informar, com o auxílio da internet, sobre as dores do mercado e o funcionamento dessas empresas. Ademais, é interessante utilizar o conteúdo de livros que abordam o empreendedorismo. 

2. Ideação

Após a formação clara da definição de startup por parte do empreendedor, é o momento de desenvolver a ideia e avaliar se realmente há previsão de sucesso a longo prazo. Ter o conhecimento do mercado que se pretende atuar é fundamental para que o negócio se inicie bem.

Assim, basta identificar boas oportunidades de atuação e soluções inovadoras para resolver conflitos e problemas enfrentados pelos consumidores. Nessa fase é muito difícil colocar a ideia em execução, principalmente para aqueles que têm um emprego e querem iniciar nesse projeto nas horas vagas.

Além disso, é o momento de desenvolver o negócio com o mínimo de investimento possível. Ter sócios com diferentes habilidades e características pode ser uma solução interessante para evoluir a startup de forma rápida e rentável.

3. Operação

A fase da operação é o estágio intermediário, caracterizado pela estruturação do negócio. Para isso, é viável realizar um plano de negócios e um estudo de viabilidade, contendo todas as informações relevantes da startup.

O que difere a fase da ideação com a da operação é a sua formalidade. Nesse momento, a empresa já está providenciando o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e outros documentos necessários para a sua abertura.

Além disso, nota-se os diversos sócios focando com mais intensidade no negócio, largando o emprego e pensando em formar uma equipe organizada. Além disso, é uma boa situação para buscar investimento, já que há uma maior organização e estrutura.

4. Tração

A fase da tração é a parte final da criação de uma startup, último momento antes da companhia se consolidar de vez no mercado. O empresário já sabe qual o bem ou serviço oferecido, o valor cobrado e se há investimento realizado.

Se a empresa não se firmar nesse estágio, o negócio pode se deformar com o passar do tempo, com risco de ser abandonado. Porém, essa pode ser uma fase de reconstrução ou aprimoramento de ideias, visualizando situações novas.

Manter a equipe e continuar a cultura de startup são os novos desafios visualizados pelos empreendedores nessa ocasião. Portanto, os problemas estão relacionados à gestão, lidando com funcionários, fornecedores, clientes, investidores etc.

Assim, escalar é um estímulo complicado, pois é necessário implementar novos processos e controles para que a empresa cresça mantendo as características e qualidades essenciais. O objetivo é atingir o equilíbrio financeiro e investir os primeiros lucros. 

Qual a importância de um apoio jurídico em uma startup?

Em função das incertezas que as startups estão expostas, o rápido crescimento e alta taxa de lucro pode não ser alcançado. Os motivos para o insucesso são diversos, seja pela falta de aceitação do mercado, experiência ou negligência de fatores essenciais. A maioria dos negócios desenvolvidos fecham as portas nos primeiros anos.

Portanto, é necessário ter a ciência que, em função do alto risco que esses negócios enfrentam, um detalhado plano jurídico que apoie o empresário e dê confiança ao investidor é imprescindível para proteger os envolvidos. 

Definir a relação societária, com os respectivos direitos e deveres de cada sócio, bem como pactuar contratos e acordos entre investidores, colaboradores, fornecedores e demais interessados com o auxílio de um advogado são pontos que devem ser observados.

Além disso, cabe ao empresário providenciar a devida proteção do patrimônio empresarial, como o produto ou um software por exemplo. A propriedade deles deve ser assegurada por meio de registro em órgãos reguladores, que podem também ser pontos positivos de valorização da startup.

Portanto, é muito importante se informar e analisar todos os fatores que abarcam uma empresa startup, para que todas as fases desse projeto ocorram da forma mais rentável, escalável e positiva para os sócios. Aliás, ter persistência e inteligência para operar esse desafio é um ponto-chave para que o sucesso se torne possível.

Se você curtiu o nosso post sobre startups e quer se informar mais sobre conteúdos como este, assine agora a nossa newsletter e receba materiais gratuitos sobre o mundo jurídico diretamente pelo seu e-mail!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima