Abrir uma empresa: quais são os principais tipos de sociedade e como escolher a ideal?

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Leitura de 6 min

Assumir os riscos de empreender é sempre uma decisão difícil.

Iniciar um negócio envolve uma série de conhecimentos e o domínio de variáveis importantes, caso queira ir mais longe nessa jornada.

Você aceitou tudo isso e resolveu arriscar abrir a própria empresa. E agora, o que fazer? Essa pergunta comporta diversas respostas, mas, no post de hoje, vamos nos limitar a um ponto crucial na hora de iniciar um empreendimento: conhecer os tipos de sociedade empresarial existentes e, principalmente, definir aquele que mais se ajuste ao propósito do novo negócio.

Por isso, pensando em ajudar, elaboramos o post de hoje com os principais tipos de sociedade para que você conheça. Além disso, daremos algumas dicas de como definir o modelo e escolher o seu sócio.

Ficou interessado? Então continue a leitura e confira o que separamos. Acompanhe:

O que é sociedade empresarial?

Antes de aprofundarmos a questão, convém contextualizar o tema. Para isso, entender o que de fato significa sociedade empresarial é o ponto de partida para falar dos tipos existentes.

Juridicamente, podemos definir sociedade empresarial como a reunião de pessoas que têm como intuito principal o exercício de atividade econômica de maneira profissional e que seja direcionada para a produção e/ou comercialização de bens ou serviços.

Dessa forma, é possível inferir que um dos traços mais importantes de uma sociedade empresarial é a pluralidade de indivíduos que visam ao lucro.

Quais são os tipos de sociedade empresarial existentes no Brasil?

Feita essa breve introdução, você já é capaz de entender melhor o conceito de sociedade empresarial. Então, vamos prosseguir e conhecer os tipos existentes no Brasil. Vejamos:

Sociedade simples

Esse é o modelo de sociedade mais básico entre todos os outros. Ele é exclusivo para os profissionais liberais e empresas prestadoras de serviços que trabalham com atividades intelectuais.

Por isso, você deve ficar atento à atividade que desenvolverá em sociedade porque, como vimos, a sociedade simples limita bastante a área de atuação.

Sociedade empresária

Esse tipo de sociedade é composto pela união de empresários. Na sociedade empresária, há a participação de um ou mais sócios com as finalidades já mencionadas. Nela, há necessidade de contrato social e registro dele na Junta Comercial do respectivo estado.

Diferentemente da sociedade simples, na sociedade empresária há uma complexidade maior, sendo que ela é dividida em algumas espécies:

1- Sociedade em nome coletivo

Aqui, a formação é exclusiva para pessoas físicas que conduzirão a empresa.

Outro ponto determinante é que os sócios respondem solidariamente e de forma ilimitada pelas dívidas contraídas e obrigações fiscais — embora seja possível limitar algumas responsabilidades entre si no contrato social.

Nesse tipo de organização, não é permitido o uso de nome empresarial, mas somente o nome dos próprios sócios acrescido do “& Cia”.

2- Sociedade em comandita simples

Nesse modelo existem dois tipos de sócios:

1- Comanditados: obrigatoriamente pessoas físicas que respondem ilimitada e solidariamente pelas obrigações fiscais do negócio;

2- Comanditários: responsabilizam-se apenas até o montante correspondente ao valor das suas quotas.

Nesse caso, a firma ou razão social da empresa somente poderá conter os nomes de sócios comanditados, e apenas eles podem exercer a gerência, caso o contrato não disponha de forma diferente. Além disso, para a entrada de um novo sócio é necessário o consentimento dos demais.

3- Sociedade limitada

Certamente, é o tipo de sociedade empresária mais comum e popular no Brasil. Para que uma Ltda. possa existir, é indispensável a presença de dois ou mais sócios, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas.

Na sociedade limitada, cada sócio tem a sua participação e responsabilidade definida de forma individual, mas, com base no capital integralizado, isto é, em caso de dívidas, por exemplo, o sócio só responde até o total da sua participação do capital social da empresa, impossibilitando que os débitos atinjam o seu patrimônio pessoal.

Esse modelo traz maior segurança e estabilidade para a atuação dos sócios, porque o seu patrimônio pessoal fica imune a qualquer responsabilidade. Entretanto, vale frisar que a Ltda. implica mais encargos tributários e responsabilidades com os empregados para funcionar regularmente. Por isso, avalie bem antes de optar por ela.

4- Sociedade anônima

Também bastante conhecida, a sociedade anônima, ou S/A, representa um modelo um pouco mais complexo e mais adequado para empresas mais maduras e de porte mais considerável.

Na S/A, o capital não se vincula a nomes, mas a ações. Nesse modelo, é obrigatória a presença de, no mínimo, sete acionistas, cujas responsabilidades são divididas conforme os seus montantes.

Quanto ao capital de uma S/A, pode ser definido como aberto ou fechado:

– Capital aberto: quando as suas ações podem ser negociadas na bolsa de valores;

– Capital fechado: não se permite a negociação de ações na bolsa, mas apenas entre os sócios.

Como escolher o tipo de sociedade ideal?

Antes de tudo, é preciso considerar que cada negócio possui particularidades e necessidades específicas e que devem sempre ser levadas em consideração na hora de escolher um tipo de sociedade.

Por exemplo, se você tem a intenção de administrar a sua empresa junto a um sócio, a sociedade em nome coletivo é mais indicada. Por outro lado, uma pequena empresa com funcionários é mais alinhada à sociedade limitada.

Já uma sociedade em comandita simples é mais indicada para quem pretende estabelecer níveis de responsabilidade e gerência diferentes para os sócios. A sociedade anônima, por sua vez, é a recomendada para grandes negócios, pois envolve a venda de ações e presume um capital maior.

Por que é preciso um sócio?

Como mencionado, iniciar uma empresa é uma tarefa que contempla alguns riscos e exige certas habilidades. Por isso, contar com um sócio tende a deixar as coisas mais estáveis e seguras, além de potencializar os resultados do negócio. Afinal, quanto mais pessoas se dedicam a um mesmo objetivo é mais provável que ele seja alcançado.

Ter um sócio é, de certa forma, ter um aliado nas decisões, é ter alguém para se apoiar e dividir os riscos da missão de empreender. Contudo, é preciso agir com cautela, já que a escolha do sócio é que ditará se você vai experimentar ou não os benefícios citados.

Sendo assim, avalie bem o seu sócio respondendo:

– Essa pessoa tem o mesmo mindset que eu?

– Como ela pode me ajudar a crescer pessoal e profissionalmente?

– Quão disposta ela está para fazer as coisas darem certo?

– Quais são os valores que ela carrega?

– Ela possui a experiência necessária ou a vontade de aprender para chegar ao sucesso?

Como vimos, existem diferentes tipos de sociedade, cada uma com características e enquadramentos específicos. Agora, cabe a você avaliar bem a sua empresa, projetar seus objetivos e buscar o modelo empresarial que comporte isso.

Nessa hora, busque sempre se informar com profissionais e/ou empresas especializados no assunto. Uma assessoria ou consultoria jurídica pode responder a todas as suas perguntas e tornar o processo decisório mais promissor. Pense bem!

Gostou do post sobre os principais tipos de sociedade? Quer se manter bem informado sobre assuntos relacionados ao mundo jurídico e empresarial? Assine a nossa newsletter agora mesmo!

1 comentário em “Abrir uma empresa: quais são os principais tipos de sociedade e como escolher a ideal?”

  1. Pingback: Indenização por acidente de trabalho: o que você precisa saber? | CHC Advocacia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima